FAQ

QUESTÕES COMUNS SOBRE
CHAPADA DOS GUIMARÃES

Esta seção traz, no momento, respostas às
dúvidas sobre o turismo em Chapada dos Guimarães.
Novas respostas serão acrescentadas com a inclusão
dos próximos destinos, Pantanal e Nobres.




Qual a distância do aeroporto de Cuiabá até Chapada?

Chapada fica a 61km de Cuiabá, seguindo pela estrada MT-251, que desde 2014 teve vários trechos de pavimentação refeitos, melhorando a qualidade da estrada, mas ainda com obras em andamento. Somam-se a isso quase 17km desde o aeroporto em Várzea Grande (isso mesmo, o aeroporto Marechal Rondon não fica na capital, mas sim em sua cidade-irmã, separadas que são pelo rio Cuiabá) e o trajeto leva, em média, 1h30m.



É fácil ir de ônibus de Cuiabá para Chapada?

Há linhas de ônibus urbano do aeroporto até a estação rodoviária, de onde saem ônibus em vários horários para Chapada (6:30, 8:00, 09:30, 11:00, 13:00, 14:30, 16:00, 18:00 e 19:00h) pelas viações Rubi e Rápido Chapadense (que são, na prática, a mesma empresa).



Devo alugar um carro?

Se você traz muita bagagem, se reservou sua hospedagem em uma pousada longe do centro da cidade, se deseja mobilidade para visitar atrações autoguiadas ou escolher um restaurante, é aconselhável alugar um carro. Também a contratação de tours para as atrações de Chapada saem mais em conta se você tem transporte próprio. Porém, circuitos do Parque Nacional como a Cidade de Pedra e o Vale do Rio Claro requerem um veículo com tração 4x4, cujo aluguel para vários dias acaba saindo mais caro que a contratação de transporte para esses passeios imperdíveis, que podem ser realizados em um 'combo' de um único dia.



Preciso reservar hospedagem com antecedência?

Em feriados prolongados como carnaval e as festas de fim-de-ano, além de eventos como o Festival de Inverno de Chapada (este ano em junho) o número de turistas cresce muito e, além de escassa, a hospedagem de última hora pode sair bem mais cara. Procure referência sobre a pousada escolhida em sites de review de credibilidade como Tripadvisor. Desde a Copa da Fifa em 2014, uma série de pousadas tipo 'Bed & Breakfast' abriram em Chapada, nem todas registradas no Cadastur e algumas podem deixar a desejar para quem deseja um serviço de hotelaria padrão.



Preciso agendar meus passeios com antecedência?

Assim como no caso da hospedagem, datas em que o movimento é maior costumam criar dissabores para os turistas retardatários. Para passeios que precisam de transporte 4x4 a questão é especialmente delicada, e em feriados os limites diários de visitantes em alguns circuitos do Parque Nacional chegam a ser alcançados com dias de antecedência.
Em dias fora de datas especiais, o agendamento é mais tranquilo, mas fica mais difícil formar grupos (o turista pode escolher contratar um guia privativo ou juntar-se a grupos maiores formados nas agências para reduzir o custo do passeio).



Devo me vacinar contra febre-amarela? Há casos de malária em Chapada?

Em Chapada dos Guimarães não há casos de Febre Amarela ou Malária, mas deve-se, como em quase todo o Brasil, principalmente no verão, precaver-se contra o Aedes Aegypti, mosquito transissor da dengue e outras doenças.



Quais são os períodos de Seca e de Chuva?

A Seca começa de verdade com a chegada do Inverno, em junho, embora nos últimos anos tenham ocorrido chuvas atípicas no fim de julho ou início de agosto, reduzindo assim o problema das queimadas que costuma afligir todo o Centro-Oeste do Brasil nesse período. As estação chuvosa se inicia no meio de setembro, com a tradicional 'Chuva do Caju', que dispara o gatilho de muitas espécies para a floração e/ou frutificação. Depois dessa chuva, normalmente forte e única, só volta a chover, de forma esparsa, em outubro ou início de novembro, aos poucos aumentando até janeiro e fevereiro. Depois, a chuva vai espaçando novamente até terminar no mês de maio. A média de pluviosidade anual é de 1593mm.



Qual é a temperatura da região?

Chapada dos Guimarães tem uma temperatura média de 22,2°C podendo chegar a picos de até 37°C no meio do dia em certos períodos do ano. Normalmente, a temperatura fica em torno de 5°C a menos que a Capital Cuiabá - a uma distância geográfica de apenas 30km mas com uma diferença de mais de 500m de elevação. A diferença de temperatura entre elevações próximas à encosta do paredão (mais frias) e depressões do planalto, como o vale do rio da Casca (mais quentes) podem ser marcantes.
Durante o Inverno, o céu é azul, o vento sul mantém o ar seco e o clima é quente, salvo quando chegam as massas polares vindas da Patagônia, trazendo o frio que, historicamente, atingia 0°C â noite; hoje, com as mudanças climáticas, a temperatura mínima fica em torno de 4°C no auge da chamada 'friagem'. Esse clima costuma durar em torno de 2 ou 3 dias, após o que os dias ensolarados voltam e a temperatura sobe novamente.



Qual é a melhor época para visitar a Chapada?

O céu limpo, a clareza e quantidade de água, o verde da vegetação tornam o período de maio o mais convidativo de todos, porém o inverno de junho a setembro é o período de alta temporada do Pantanal, distante apenas 170km de Chapada, fazendo com que muitos turistas aproveitem a oportunidade para conhecer também Chapada nessa época, que não é então menos convidativa, salvo pelas queimadas que deixam o ar esfumaçado e menos propício para desfrutar os mirantes e paisagens distantes.



Posso fazer rapel na Chapada?

Como a formação geológica de Chapada dos Guimarães é composta de diferentes tipos de arenito - alguns bastante frágeis - a prática do rapel, escalada ou atividades similares podem provocar acidentes e desabamentos sem aviso. Assim, o rapel é proibido na área do Parque Nacional e é realizado em locais bem específicos e preparados, especialmente o rapel em cachoeiras com descida em negativa, sem tocar a parede da mesma, oferecidos por agências especializadas como a Chapada Aventura.



Há passeios que incluam pernoite dentro do Parque Nacional?

É proibido o camping dentro do Parque Nacional, a não ser para o passeio chamado 'Travessia' em que se passa a noite acampado na área da chamada "Casa do São Jerônimo", e que inclui uma subida ao Morro São Jerônimo no primeiro dia e uma descida pela trilha do Carretão até a Comunidade do São Jerônimo no dia seguinte, mas que pode ser substituída por outra atividade, como o Circuito das Cachoeiras. Esse pernoite em camping deve ser acompanhado de um guia ou condutor capacitado para esse roteiro (nem todos o são, informe-se).



Como posso observar aves e outros animais durante minha estadia?

Como o Parque Nacional permite visitação regular apenas das 8:30 âs 16:30h, os melhores horários para observação de aves e demais exemplares da vida selvagem não é normalmente disponível para os amantes da Natureza em sua área. Para ter acesso bem cedo aos pontos privilegiados como estrada da Cidade de Pedra, trilha do São Jerônimo e da Cachoeirinha, programe antecipadamente com seu guia de natureza para agendar no Parque e obter permissão especial. Pode-se também optar pela hospedagem em pousadas propícias, localizadas fora do centro urbano, como a Cantos da Mata no Vale do Jamacá e a Pousada do Parque, próxima ao limite do Parque Nacional. Outros pontos de observação de aves os arredores estão indicados por ícones na seção Mapas de Chapada, item 'Pq.Nacional' do submenu.



O que há para se ver na cidade de Chapada?

Além dos atrativos de ecoturismo que você pode encontrar na página de Chapada, no item 'Atrações' do submenu, você pode encontrar pontos interessantes na cidade, como por exemplo o Museu da Memória, na Rua Quinco Caldas, quase em frente ao Posto BR; as Bordadeiras de Chapada, que têm sua sede vizinha tmbém próxima ao Posto BR, do outro lado da rua.
Outra opção para comprar souvenirs de artesanato regional é a 'Chapada à Mão', loja da Associação de Artesãos de Chapada localizada na rua Fernando Correa, ao lado da Praça Dom Wunibaldo, no centro.
E, é claro, não pode falter uma visita à Igreja de Santana, também na Praça Dom Wunibaldo, construída em 1779 em estilo barroco primitivo e tombada pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artísitco Brasileiro). Além disso, a cidade conta com diversos restaurantes de comida típica regional, sorveterias que oferecem sabores de frutos do Cerrado e muito mais.



Quais as opções de comida na cidade?

Os hotéis e pousadas de Chapada, em geral, não oferecem pensão completa, já que a maior parte dos turistas passa o dia fora nos passeios (exceção para a Pousada Cantos da Mata, no Vale do Jamacá, e a Pousada do Parque, localizada junto aos limites do Parque Nacional, que pedem que se informe com antecedência a intenção de lá almoçar ou jantar).
Os restaurantes da cidade, em sua maioria, funcionam em sistema self-service no almoço e à noite servem 'à la carte'. Para os fins-de-tarde, quando se volta faminto da trilha, as opções são poucas: o Morro dos Ventos fica aberto até o anoitecer e o Véu-de-Noiva, restaurante dentro do Parque Nacional próximo ao mirante da grande cachoeira de mesmo nome, é uma ótima opção que fica aberta até as 16:30h, quando termina o horário de visitação.
Uma opção para se comer um ótimo peixe, o único lugar em Chapada, atualmente, onde são servidas a deliciosa piraputanga ( peixe similar à truta) e a Matrinchã amazônica, além dos clássicos Pintado e Pacu da região, é a peixaria Recanto do Cerrado, próxima à Pousada Penhasco, que abre para almoço de quinta a domingo e para o jantar somente com reserva. Se você gosta de se alimentar bem antes de sair para a trilha, estabelecimentos como o Hotel Turismo, no Centro, e a Pousada Cambará, no bairro Florada da Serra, oferecem aos hóspedes um café colonial com deliciosos pães, queijos, geléias e outros itens de preparo próprio. É de praxe em muitas pousadas que os turistas levem um sanduíche e frutas do café para a trilha (mas sem abusos).



Que outros lugares posso visitar a partir de Chapada dos Guimarães?

Além de Bom Jardim, distrito de Nobres onde se encontram as atrações do município, e Poconé, onde tem início a Estrada-Parque Transpantaneira (ambos ficam a cerca de 170km de Chapada, em diferentes direções), pode-se também encontrar atrações interessantes na capital Cuiabá, como o bairro São Gonçalo Beira Rio, onde se pode apreciar o peixe em pequenos restaurantes às margens do Cuiabá e visitar as casas dos artesãos que vendem cerâmicas com motivos regionais. Outra escolha pode ser o Mercado do Porto, rico em cores, cheiros e sabores típicos, bom de ser visitado pela manhã. E a noite cuiabana tem diversas opções de vida notuna, destacando-se entre elas o SESC Arsenal, na rua 13 de Junho (onde também se encontra a tradicional Casa do Artesão, com variados souvenirs e até redes de dormir feitas à mão), região centro-sul da cidade, com um bar e restaurante em área aberta e aprazível no centro do antigo arsenal do exército que preserva as linhas originais, além de ter sempre exposições, peças de teatro e outras atividades artístico-culturais como imperdível 'bulixo' às quintas, com uma feira de artesanato e comidas típicas sob as varandas internas que circundam o espaço.



Por que preciso de um guia para visitar o Parque Nacional e outras atrações particulares de Chapada dos Guimarães?

Durante o período de existência do Parque Nacional, desde 1989, problemas como lixo, depredação, incêndios e trilhas clandestinas eram comuns, até que ocorreu o famoso acidente de 2008 quando uma grande pedra se desprendeu do alto da cachoeira Véu-de-Noiva ocasionando a morte de uma turista. Devido a meandros da legislação brasileira em casos como esse, o Parque Nacional sofreu uma ação movida pela família da vítima. Mesmo tendo sido o evento uma fatalidade, foi creditado à responsabilidade do Instituto Chico Mendes (ICMBio) que gerencia as Unidades de Conservação do país. Isso levou a administração da época a fechar a Unidade à visitação até adequação às normas de segurança previstas no Plano de Manejo do Parque (na prática, 'fechado para sempre', visto as parcas verbas destinadas ao Meio-Ambiente pelo governo).
No fim de 2009, quase completando 2 anos de fechamento, a Associação de Guias e Condutores de Ecoturismo de Chapada dos Guimarães (AGCE) apresentou um projeto baseado no Plano de Manejo do Parque, definindo a carga máxima diária de visitantes em cada trilha, o número máximo de pessoas em cada grupo, as trilhas corretas para uso e para resgate e a entrega de chaves de acesso para cada atrativo, assumindo assim a responsabilidade pela segurança dos grupos. Desde então, a atuação dos guias e condutores acompanhando os visitantes foi incorporada como padrão em todos os atrativos que incluem trilhas longas em áreas delicadas, resolvando a maior parte dos problemas que havia antes e proporcionando aos visitantes um lazer de primeira qualidade, mais rico, seguro e prazeroso.


O que mais você quer saber
sobre o turismo em Mato Grosso?




(Campos marcados * são requeridos)

VOLTAR AO INÍCIO

VOLTAR AO INÍCIO